Calvície Feminina Tem Cura?

Estamos mais convencidos e habituados com a calvície masculina, mas, se tratando de mulheres é mais difícil de superar. Será que a calvície feminina tem cura?

Felizmente, a resposta é positiva e com os avanços científicos Alopecia Ariata que afeta muitas mulheres pode ter seus dias contados.

A calvície afeta sobretudo homens por questões hormonais e relacionados a herança genética.

As mulheres podem ser acometidas do problema devido a:

  • Hormonais
  • Dietas
  • Alimentação sem os nutrientes e vitaminas essenciais
  • Demasiado stress relacionado ao trabalho
  • Químicas
  • Pós parto
  • Depressão

Os dados também nos lançam alertas já que segundo Associação de Dermatologistas, cerca de 30% das mulheres podem deparar-se com o problema até os 50 anos de idade.

Mas, a calvície feminina tem cura?  Vejamos os detalhes.

 Fim da Calvície Feminina

calvície feminina tem cura

As fórmulas até em então comprovadas estão ligadas a cirurgia e medicação. O primeiro passo essencial é saber a fonte do problema para combater.

Claro que o tratamento é progressivo e exige paciência de quem passa pelo processo, já que pode ser um pouco demorado.

Esse é o principal problema, visto que principalmente as mulheres são profundamente afetadas por depressão e baixa estima.

Para sanar esse problema enquanto se é submetida a medicação mais rigorosa, recomenda-se o uso de Jet Hair que disfarça totalmente a região afetada pela calvície e não tem contra indicações.

Alguns medicamento sob indicação médica também trazem efeitos no tratamento para calvície feminina, esse é o caso de:

Minoxidil

17 Alfa Estradiol

Zymo HSOR

Ambos agem diretamente no bulbo capilar, estimulam o crescimento dos cabelos e combatem sobretudo Alopecia Ariata.

Ressaltamos que deve procurar orientações médicas para saber qual o melhor tratamento em seu caso.

Pode-se recorrer ao uso de vitaminas, minerais e produtos capilares com intuito de combater a calvície feminina.

Então, a resposta à pergunta: a calvície feminina tem cura? Sim, há cura, felizmente.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Close