Diferença Entre: Minoxidil e Finasterida

Certamente você já ouviu falar em Minoxidil e Finasterida, pelo menos é o que pressupomos quando se trata de pacientes acometidos de problemas relacionados à calvície.

Mas, qual a diferença entre ambos? Será que um apresenta melhores resultados em relação a outro? Entenda os detalhes nesse artigo.

Diferença Entre os Dois Tratamentos

Finasterida e Minoxidil

Ambos são procedimentos químicos e precisam de orientação médica. Entenda agora a diferença entre Minoxidil e Finasterida:

Minoxidil

É um tratamento para Alopecia Androgenética aprovado pelas autoridades de saúde americana e associação do país.

Trata-se de uma substância destinada inicialmente para baixar a pressão, mas que com testes conseguiu-se detectar sua eficácia para perda dos cabelos.

Inclusive, notou-se nos testes que os pacientes tiveram um crescimento significativo dos cabelos, o que oscilava entre 15% a 60% de resultados positivos.

No entanto, um estudo feito em Israel notou que apenas 6,6% dos pacientes tiveram melhoras.

Sendo que os resultados foram melhores na área frontal da cabeça. E nos pacientes em que foram aplicados 2 vezes por dia sem interrupções notou-se excelentes resultados.

Finasterida

A Finasterida por sua vez representa um tratamento bastante conhecido e amplamente difundido mundialmente.

Um medicamento que em doses 5 vezes mais alta utilizado para controlar a inflamação da próstata produz excelentes resultados na prevenção e tratamento contra a calvície. Interfere com um derivado de testosterona.

Os estudos comprovam que cerca de 83% dos pacientes submetidos ao tratamento tiveram melhoras.

Cerca de 66% dos pacientes engrossam os cabelos existentes. O grande porém é que precisa ser tomado durante toda a vida.

Embora seja controverso esse tema e muito se tem questionado sobre os eventuais problemas que a Finasterida tem causado, apenas 2% dos homens podem vir a ser acometidos de problemas relacionados com infertilidade.

O certo é que o Minoxidil e Finasterida são avanços científicos espantosos e provam que a ciência hora descobre uma cura de forma quase intencional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Close