Hipotireoidismo e calvície

Tireoide todo mundo tem. Trata-se de uma glândula que se encontra na região do pescoço, e tanto homens como mulheres têm essa pequena parte do corpo que às vezes pode dar alguns problemas. Já a calvície, alguns homens e algumas mulheres sofrem ao longo de suas vidas, por causa da queda excessiva de cabelos. Mas o que um tem a ver com o outro?

Mas o que é hipotireoidismo?

A tireoide é um órgão do sistema endócrino. Fica na região do pescoço, um pouco abaixo do pomo de adão, ou gogó, como todo mundo conhece. Ela pesa em média 15 gramas em um indivíduo adulto, e apesar de ser pequena, tem grande respondabilidade: produz os hormônios triiodotironina (T3) e tetraiodotironina (T4). Esses dois hormônios controlam todas as células do corpo, no que diz respeito a como elas gastam sua energia. Isso lembra algum nome? Exatamente, o nosso metabolismo.

Portanto, se dá algum problema com essa glândula, tudo que tiver relação com o metabolismo pode ser afetado. O hipotireoidismo é justamente a insuficiência da tireoide na produção desses hormônios. Por isso falamos que os hormônios são tão importantes: nos ajudam muito na medida certa. Exagero ou insuficiência pode fazer mal.

E o que é calvície?

A calvície é um tipo de alopecia (perda parcial ou total de cabelos ou pelos), gradual e progressiva. Ela pode ser causada por fatores hereditários, genéticos e pelo estresse. A calvície não só pode ser caracterizada pela queda como também o afinamento, perda de brilho, encurtamento e perda de cor dos cabelos.

E o que os dois têm a ver?

Como disse anteriormente, o hipotireoidismo mexe com tudo que estiver relacionado com o metabolismo. Quando pensamos em metabolismo, geralmente só vem na cabeça perda ou ganho de peso, exercícios físicos e dietas.

Apesar disso, o metabolismo envolve muitos outros processos, como o crescimento, o envelhecimento, saúde das unhas e dos cabelos também. Opa, cabelos! Está aí a relação entre os dois. Os hormônios são tão poderosos que um problema em uma glândula pode causar outro problema, o da calvície.

Então você já pode concluir que todo e qualquer problema com o sistema endócrino pode causar efeitos colaterais, não somente o hipotireoidismo. Pelo simples fato de todo esse sistema lidar com a produção e regulação de hormônios.

O que fazer?

Primeiramente, os sintomas do hipotireoidismo são, de forma geral, fadiga, sensibilidade ao frio, prisão de ventre, pele ressecada, ganho de peso, inchaço no rosto, fraqueza, queda de cabelo e até depressão.

Procurar um médico endocrinologista é a melhor forma de resolver o problema. Mas se apresse: caso você esteja sentindo algum dos sintomas e não sabe se tem ou não hipotireoidismo, vá logo ao médico para tirar a dúvida. Os sintomas se agravam cada vez mais se você não começa o tratamento logo.

O médico pode detectar o hipotireoidismo através de exames de sangue. Inclusive, o teste do pezinho, feito em recém-nascidos, pode detectar logo no início da vida se a criança tem algum distúrbio na tireoide. Então, pais, fiquem atentos ao exame do pezinho!

Qual é o tratamento?

O tratamento consiste em consumir diariamente uma versão sintética – produzida em laboratório – do T4. A medicação vai restaurar os níveis hormonais, revertendo assim os sinais e sintomas do hipotireoidismo, além de estabilizar o seu metabolismo normal.

Os resultados do tratamento geralmente aparecem duas semanas depois que começa. Relativamente rápido, visto o incômodo que são os sintomas. Até o peso extra que a pessoa pode ganhar é eliminado depois que o tratamento começa.

Apesar de eficiente, o tratamento pode trazer riscos. Isso porque, como já disse ali em cima, quantidades excessivas podem atrapalhar o organismo também. Alguns dos efeitos colaterais são o aumento do apetite, palpitações cardíacas, tremores e falta de sono. Quem sofre com problemas cardíacos precisa avisar ao médico sobre isso.

Hipotireoidismo e calvície

Como os hormônios vão acelerar seu metabolismo, o coração será forçado a bater mais rápido, e isso pode ser um incentivo para agravar sua questão cardíaca. Quando o paciente tem esse quadro, as doses iniciais de hormônio são diminuídas, assim o organismo vai se acostumando com a aceleração progressiva do metabolismo.

Levar o tratamento a sério e tomar as doses corretas de hormônio – nem mais, nem menos – comumente não vai provocar os efeitos colaterais. Apesar disso, até a sua dieta e interação medicamentosa – quando você já faz uso de algum medicamento – pode interferir no tratamento, também. Siga as instruções do seu endocrinologista e evite algum alimento ou bebida que possa diminuir a capacidade do seu corpo de absorver o T4 sintético.

E a calvície?

Muito provavelmente, depois de dar início ao tratamento, a calvície vai deixar de progredir e os cabelos vão voltar ao normal. Vão crescer, ficar fortes e sedosos, além de voltarem a ter o brilho natural. O mesmo vai acontecer com as unhas, que ficarão fortalecidas.

Caso a calvície continue, o ideal é procurar um especialista, pois provavelmente se depois do tratamento iniciado ela continuar, é porque não deve ter relação com o hipotireoidismo. Pode ter apenas se agravado, e a causa inicial ser outra. Com o especialista, discuta o efeito de diversos produtos e práticas, e parta em busca de boas soluções, cosméticas e medicamentosas, para a calvície!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Close