4 perguntas e respostas sobre calvície feminina

A calvície é mais conhecida por se manifestar em pessoas do gênero masculino, mas as mulheres também podem sofrer com esse mal: cerca de 5% das mulheres com 30 anos e 60% daquelas com idade superior a 70 são afetadas. Muitas delas sofrem em silêncio, mudando os penteados para esconder as falhas no couro cabeludo. No entanto, quanto mais cedo se buscar os cuidados essenciais, melhor as chances de tratar a calvície com sucesso.

Se você quer saber mais sobre a calvície de padrão feminino, confira as perguntas e respostas a seguir.

1. Qual é a forma mais comum de perda de cabelo feminino?

A calvície de padrão feminino tem geralmente um forte componente genético que pode ser herdado da mãe ou do pai. Também conhecida como alopecia androgenética, esse tipo de perda de cabelo pode começar muito cedo – final da adolescência – e quanto mais cedo começa, mais severa a perda de cabelo tende a ser.

4 perguntas e respostas sobre calvície feminina

A maioria das mulheres com perda de cabelo padrão não possuem uma calvície ou careca na parte superior do couro cabeludo, como é comum nos homens. Em vez disso, há afinamento visível dos fios sobre a coroa. Em homens e mulheres, os pelos são miniaturizados por causa de um ciclo de crescimento reduzido, onde os fios ficam no couro cabeludo por um curto período de tempo. Esses fios não alcançam o seu comprimento habitual.

2. Como a calvície feminina é tratada?

Rogaine (minoxidil) 5% é a única medicação tópica aprovada pela FDA (U.S Food And Drug Administration) para a perda de cabelo de padrão feminino. O tratamento é feito uma vez por dia, por meio de uma espuma aplicada no couro cabeludo, e tem a capacidade de fazer o cabelo crescer novamente em 81% das mulheres que o utilizam. Opções líquidas de soluções 2% e 5% disponíveis nas farmácias.

Esse medicamento age prolongando a fase de crescimento do cabelo – proporcionando mais tempo para o cabelo crescer em toda a sua densidade. A mulher que fará uso de Rogaine precisa ser paciente, e não pode exceder o limite de uso (apenas uma vez por dia); os resultados visíveis normalmente levam de três a quatro meses para aparecer. Quanto mais cedo se iniciar o tratamento, melhor.

O Laser Comb HairMax é uma novidade do tratamento da calvície feminina. Ele é uma terapia feita com luz vermelha, do tipo escova de cabelo, que aumenta a circulação e a marcha biológica que o cabelo faz. É só aprovado em homens (embora algumas mulheres estejam usando-o), mas não é tão bom como o Rogaine. Em um estudo, 45% dos usuários relataram melhora após oito semanas, e 90% viu melhora após 16 semanas.

Outra opção de tratamento é o transplante de cabelo, em que pequenos folículos pilosos feitos a partir de uma área do couro cabeludo são transplantados para as regiões afetadas. Esse método pode ser muito eficaz e produzir resultados permanentes que parecem naturais aos olhos de quem vê. Atualmente, é bastante procurado tanto por homens quanto mulheres que sofrem de calvície.

Os médicos também podem testar os níveis de ferritina (proteína que indica a quantidade do total de reservas de ferro). Uma nova pesquisa sugere que níveis baixos de ferritina estão presentes em mulheres com queda de cabelo. Os suplementos de ferro podem ajudar.

3. A mulher que sofre de calvície deve mudar os cuidados que tem com o cabelo?

Uma vez que não há nenhum problema estrutural com o cabelo em casos de calvície feminina, as mulheres devem continuar o seu tratamento regular de cabelo. Ao contrário do que muitas mulheres podem pensar, parar de lavar, colorir ou qualquer outra coisa parecida não terá impacto algum sobre o curso da perda de cabelo ou até mesmo acelerar o processo.

Utilize um xampu anticaspa que contém cetoconazol (antifúngico) ou pyrthione zinco (um agente antifúngico e antibacteriano).

4. A perda de cabelo em mulheres pode ser sinal de um problema mais sério?

Sim. Hiperandrogenismo, uma condição médica caracterizada pela produção excessiva de hormônios masculinos chamados andrógenos, pode causar queda de cabelo em mulheres afetadas. A causa mais comum de hiperandrogenismo em mulheres é o hiperandrogenismo ovariano funcional, também conhecido como síndrome do ovário policístico. Além da perda de cabelo, outros sinais incluem a obesidade, a acne e menstruação irregular, além de ser uma das causas mais comuns de infertilidade.

Muitas dessas mulheres têm síndrome metabólica – uma combinação de cinco condições médicas, incluindo a gordura da barriga e pressão arterial elevada, que aumentam o risco de diabetes, ataque cardíaco e acidente vascular cerebral.

Embora a perda de cabelo decorrente de hiperandrogenismo possa ser tratada com Rogaine, é preciso procurar cuidados para as outras condições.

Em casos graves de calvície, procure sempre auxílio médico. Muitas receitas milagrosas podem ser encontradas na internet, mas elas mais prometem do que cumprem. Fique atento. Continue com o blog as novidades estão chegando. Até breve!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Close