Quais são os 2 principais métodos de transplante contra calvície?

A queda dos cabelos é algo que muitas pessoas temem hoje em dia, ainda mais quando se descobre que tem tendência à calvície. Existem diversas formas de transplante contra a calvície e iremos falar sobre isso nesse artigo. Antes de tudo, precisamos saber o que é calvície.

O que é calvície?

Conhecida pelo termo médico como alopecia, ela é definida pela queda parcial ou total dos fios do couro cabeludo ou de outras áreas do corpo que possuem pelos. Diariamente um indivíduo perde cerca de 50 a 200 fios de cabelo. O principal sintoma da calvície é a queda dos fios que podem ser encontrados em seu travesseiro ao acordar, quando se passa a mão nos cabelos e ao lavar ou penteá-los.

A perda dos fios é intensa em determinadas áreas, podendo ser possível visualizar o couro cabeludo ou a pele que antes estava coberta pelos fios.

Quais são os 2 principais métodos de transplante contra calvície?

Quais são os tipos e causas da calvície?

Areata: sua causa é desconhecida. Ela é caracterizada por círculos redondos no couro cabeludo, podendo se espalhar para as outras áreas do corpo. Esse tipo de calvície está relacionado ao estresse e afeta homens e mulheres de qualquer faixa etária. Em alguns casos, os fios podem desaparecer completamente, mas geralmente voltam a crescer;

Androgenética: conhecida como prematura ou comum. Esse tipo de calvície é hereditário, ou seja, é genético (materno ou paterno). Atinge principalmente os homens, mas também pode afetar algumas mulheres. É comum surgir na juventude, e pode aparecer mais tarde na vida adulta. Ocorre a miniaturização dos folículos pilossebáceos em certas áreas do couro cabeludo que, aos poucos, vão passando de trinais a pelos, e logo desaparecem completamente;

Difusa (eflúvio telógeno crônico): ocorre a perda intensa e progressiva do cabelo depois de doenças crônicas ou febre, parto, estresse emocional, entre outros. O cabelo se solta facilmente ao ser puxado. Não ocorre a calvície total, mas o cabelo fica com um aspecto muito liso e ralo. Entre as suas principais causas está o hipertiroidismo, medicamentos como anticoagulantes, metabólico e má nutrição;

Cicatrizal: na maioria dos casos, esse tipo de calvície costuma ser irreversível. Ocorre devido a uma ruptura total da estrutura folicular ou alguma má-formação. Não existe tratamento que possa ser utilizado em cabelos com folículos inertes, mas pode ser aplicado um implante capilar;

Seborreica: a glândula sebácea é responsável pela produção do sebo que, junto com a água procedente das glândulas sudoríparas, gera a capa de pele que protege o couro cabeludo. Quando essas glândulas produzem sebo excessivamente, os fios ficam com um aspecto opaco e oleoso, fazendo com que não tenham força e volume.

Em casos extremos, podem ocorrer irritações e coceiras no couro cabeludo, trazendo problemas como a queda do cabelo e caspas. Pode estar relacionado com o estresse, dietas ricas em gorduras animais, produtos que agridem e maltratam o cabelo, hormonal e orgânico.

Além disso, existem outras causas de queda de cabelo: micose no couro cabeludo, uso de medicamentos, sífilis secundária, lúpus eritematoso sistêmico, líquen plano, falta de ferro, biotina, proteínas e zinco e até mesmo alguns tipos de câncer podem causar a queda dos fios.

O tratamento da calvície

Para realizar o tratamento adequado para o seu tipo de calvície, é necessário consultar um médico dermatologista para identificar as causas e indicar o tratamento. As alternativas terapêuticas são medicamentos tópicos ou orais, produtos contra a queda ou tratamentos como carboxiterapia e intradermoterapia.

Outra forma de tratamento é o implante capilar (conhecido como transplante e microtransplante capilar)., considerado como a melhor forma e solução para o combate à calvície. No implante, ocorre a recolocação dos fios transplantados do próprio indivíduo de uma área para a outra.

Métodos de transplante contra a calvície

1.     FUE (extração da unidade folicular)

É feita a retirada dos fios, um a um, sem o uso do bisturi. Não deixa cicatrizes e não é necessário fazer pontos de sutura, pois os furos restantes se fecham em  aproximadamente três dias. Os fios que foram retirados já saem prontos para serem reimplantados.

Os cabelos da região doadora precisam ser raspados para assim conseguir inserir corretamente o punch de alguns milímetros e extrair a unidade folicular sem problemas. Se for feita em excesso, é possível reduzir a densidade capilar da área doadora. A vantagem desse método de transplante é que pode ser feito em pacientes que não possuem boa elasticidade na região doadora.

2.     FUT (transplante da unidade folicular)

É retirada uma faixa de tecido (fios de cabelo e pele) da área doadora por um bisturi. Em seguida, pontos de sutura são feitos para fechar a ferida.

Esse método não diminui a densidade da área doadora e não é necessário realizar uma raspagem dos fios do local. A cicatriz possui uma forma linear de acordo com o corte realizado, geralmente de uma orelha a outra. Na maioria dos casos, a cicatriz fica visível caso o paciente não possua muitos cabelos na área doadora, logo, deve-se optar por um corte de cabelo mais curto.

Estes são os métodos principais de transplante que podem ser utilizados contra a calvície. Gostou? Deixe o seu comentário e continue com o nosso blog!

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Close