Seu trabalho pode estimular calvície?

A calvície é uma condição que envolve, além de fatores genéticos, aspectos relacionados à saúde e ao bem-estar de modo geral, como alimentação, uso de químicas no couro cabeludo, níveis de estresse e tensão cotidianos, entre outros.

Uma vez que o estresse e a tensão são fatores desencadeadores da calvície, se você encara jornadas intensas e sobrecarregadas de trabalho, em algum grau seu trabalho pode estimular calvície ou a queda dos fios.

Neste artigo, traremos algumas das principais informações sobre como trabalho pode estimular calvície, bem como dicas de prevenção. Boa leitura!

Seu trabalho pode estimular calvície?

O que é calvície?

A calvície é um quadro caracterizado pela gradual e progressiva queda dos fios de cabelo. Ela pode se manifestar em ambos os gêneros, mas os homens são os principais afetados por essa condição.

Normalmente, os homens com predisposição genética para a calvície começam a perder os fios de cabelo por volta dos 20 anos. Alguns dados apontam que 12% dos homens ficam calvos até os 25 anos de idade, enquanto 37% estão carecas aos 35.

Já nas mulheres, a calvície ocorre de modo diferente. Ela tende a se manifestar de modo mais uniforme, com a diminuição gradual da quantidade de fios. Raramente verificam-se regiões com falhas ocasionadas pela calvície.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a calvície pode atingir até 50% dos homens com até 50 anos.

Como o trabalho pode estimular calvície e queda dos fios?

É recorrente o tema científico e os impactos do excesso de trabalho na saúde do trabalhador. A Síndrome de Burnout, por exemplo, foi descrita pela primeira vez em 1970 e é um distúrbio emocional causado pelo esgotamento profissional que se manifesta fisicamente, causando prejuízos diretos na qualidade de vida.

Desse modo, assim como a Síndrome de Burnout, seu trabalho pode estimular calvície ou a queda de cabelos.

A hipótese de que o trabalho pode estimular calvície foi testada cientificamente numa indústria, na Coreia do Sul. Por meio da análise de 13.391 trabalhadores homens, foi constatada uma maior taxa de desenvolvimento da calvície entre aqueles que trabalhavam mais de 52 horas por semana.

Entretanto, um dos aspectos sugeridos pelo estudo é que o desenvolvimento da calvície não tem ligação direta com a quantidade de horas de trabalho, mas com a qualidade desta.

Sendo assim, uma jornada de trabalho com altos níveis de stress e tensão podem contribuir significantemente para o desenvolvimento da calvície.

Prevenção

Assim como a calvície genética, a calvície estimulada pelo trabalho apresenta mais chances de recuperação se diagnosticada nos primeiros estágios.

A tricoscopia é um exame realizado por médico dermatologista que busca examinar a constituição do couro cabeludo e dos fios, de modo que sejam traçadas as melhores intervenções indicadas as suas particularidades.

Como a calvície não é o único agravo à saúde que a sobrecarga de trabalho pode ocasionar, é importante que você se mantenha atento ao seu bem-estar.

Entendemos que, às vezes, é preciso dedicar-se integralmente ao trabalho. Entretanto, prejuízos físicos e mentais ocasionados pela sobrecarga ou condições de trabalho merecem sua atenção e reflexão.

Nesse sentido, a orientação de um psicólogo é altamente indicada para a elaboração e enfrentamento desses episódios.

Outras recomendações para evitar a calvície incluem a manutenção de uma alimentação saudável e balanceada, prática de exercícios físicos e moderação com o tabaco e o álcool.

O que é eflúvio telógeno?

Assim como o trabalho pode estimular calvície, ele pode também promover um episódio no qual uma quantidade maior de fios cai e, com o tempo, cessa.

Após a vivência de situações que envolvem sobrecarga emocional e/ou física, como quadros depressivos, cirurgias, dietas, luto, entre outros, pode ocorrer o eflúvio telógeno, a pontual queda dos cabelos, que costuma se resolver em alguns meses.

Quando a queda dos fios é ocasionada por estresse agudo, ou seja, um episódio pontual, o cabelo tende a voltar a crescer num período entre 3 e 6 meses.

Já quando o estresse é contínuo, como no caso de algumas profissões, pode ser desenvolvido um quadro crônico do eflúvio telógeno, com o aumento da queda dos fios e rarefação capilar.

Essa condição é caracterizada, principalmente, pelo aumento da queda de fios de cabelo. Normalmente, pode ser verificada pelos tufos de cabelo que ficam no travesseiro ou na escova.

O tratamento para o eflúvio é recomendado somente quando há outra condição associada, como calvície, para que ocorra a recuperação completa dos fios.

Conclusão sobre como seu trabalho pode estimular calvície

Neste artigo, abordamos como, em certas condições, o trabalho pode estimular calvície e a queda dos fios, além de outros agravamentos à saúde.

Além de condições genéticas, fatores como altos níveis de estresse e tensão são altamente propensos para o desenvolvimento de quadros de calvície. Sendo assim, concluímos que a sobrecarga de trabalho pode estimular calvície.

Esperamos que nossas informações tenham lhe sido úteis. Não se esqueça de nos deixar seu comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Busca

Recentes

Arquivos


Close