Calvície e escova profissional: existe relação?

Os motivos pelos quais problemas como queda de cabelo, calvície e quebra dos fios acontecem são inúmeros. Então, somente a partir de um diagnóstico preciso feito por profissionais capacitados será possível descobrir sua causa específica.

Em público jovem, a calvície e queda de cabelo está ocorrendo com mais frequência, em comparação ao que se percebia há dez anos. Isso se deve ao avanço das tecnologias e do mundo globalizado, que sempre procuram mostrar aos jovens a última moda de penteados, cortes de cabelo, tinturas e procedimentos estéticos. Mas a busca para ter o cabelo da moda pode acarretar em consequências desastrosas à saúde dos fios.

Sendo assim, perguntas como “calvície e escova profissional: existe relação?” estão a todo  momento surgindo. Pensando nisso, vamos para dar informações precisas sobre este assunto. Ficou interessado? Então, vamos em busca de respostas.

Calvície e escova profissional: existe relação?

Procedimentos estéticos para cabelos

Você, que sempre procura tratamentos capilares para deixar os fios de cabelo mais sedosos, macios e brilhantes sabe que em todos os processos de transformação pelos quais os fios passam, existe certo grau de perigo, não é mesmo? Mesmo assim há quem não se preocupe com isso ou não busque informações necessárias, antes de se submeter a determinados tratamentos.

Substâncias perigosas nos tratamentos estéticos para cabelos

A crença de que calvície e escova profissional estariam de alguma forma relacionadas surgiu com base nas consequências do uso de substâncias como formol, mais precisamente em 2003, ano em tal produto se tornou popular no mundo todo.

O composto inicial deste composto usado para alisamento, chamado de escova progressiva, continha em sua formulação 37% de formol, além de proteína hidrolisada entre outros aditivos.

Em razão da grande procura pelo procedimento, calvície e escova profissional começaram, supostamente, a ter certa relação, chamando a atenção dos profissionais da saúde de vários países que saíram em busca de respostas aos problemas de saúde que o público feminino (público que  mais fazia uso do produto) começou a apresentar.

Até que, no Brasil, a ANVISA interviu liberando apenas em dosagem de 0,2% de formol para uso estético. A porcentagem liberada pelo órgão servia apenas para a conservação do produto. Contudo, outros aditivos bem mais maléficos a saúde e dez vezes mais prejudiciais foram adicionados à composição dos produtos de alisamento capilar como glutaraldeído, um produto neurotóxico.

Como funciona a escova progressiva nos fios?

Substâncias como o formol, tioglicolato de amônio e hidróxidos agem nos fios alterando seu formato original, tornando possível sua modelagem através da alteração em sua forma molecular.

Em uma linguagem científica, vamos ver como esse procedimento funciona de fato:

  • O formato dos cabelos é determinado pelas pontes de hidrogênio. Conforme a ação dos aditivos dos produtos utilizados em alisamentos são facilmente quebradas, modificando a forma do fio.
  • Pontes de dissulfeto que são fortes ligações da queratina.

O que favorece a modelagem dos fios é justamente a quebra do chamado dissulfeto.

Riscos da escova profissional

A calvície e a escova profissional podem até não ter uma relação estreita, mas pode se tornar uma das causas desse problema.

Por mais que a ANVISA tenha liberado apenas 0,2% de formal para fins de conservação do produto, é importante ressaltar que mesmo sendo pouca quantidade, ainda sim pode causar danos à saúde.

Exemplo disso é o fato de o cheiro do formol não ser inalado apenas pela pessoa que se submete ao procedimento, o cabeleireiro pode também ser afetado. Entre os problemas que isso pode causar estão dor de cabeça, dificuldade de respirar, bronquite e até mesmo câncer.

Como dito anteriormente, devido à proibição de alta concentração do formol, outros produtos muito mais nocivos à saúde estão sendo utilizados como substitutos, cada vez mais potentes.

Mas, então, qual é a relação que há entre calvície e escova profissional?

Calvície e escova profissional podem estar ligadas ao mau uso dos produtos para alisamentos dos fios.

Um fato que acontece muito é quando alguém decide alisar os cabelos de forma caseira, em que não se toma os devidos cuidados para a aplicação, fazendo com que o produto permaneça em contato com o couro cabeludo (o que é proibido nas instruções) causando queimaduras. Em outros casos, o descuido pode ser causado até mesmo do cabeleireiro quando deixa o produto mais tempo que o indicado, causando fragilidade nos fios e, por fim, sua quebra torna-se inevitável.

No caso de queimaduras no couro cabeludo, torna-se possível à relação entre calvície e escova profissional. Pessoas que sofrem queimaduras no couro cabeludo, boa parte delas volta a ter cabelos na área afetada quando a queimadura for superficial, Já nos casos mais graves, quando a queimadura alcança até a terceira camada da pele, se torna impossível o crescimento dos fios, sendo necessário transplante capilar ou implantes.

Resumindo calvície e escova profissional

Calvície e escova profissional só são possíveis no caso de ocorrerem queimaduras graves na região onde o produto foi aplicado de forma errônea. No restante dos casos, o que acontece de fato são apenas quebras dos fios, umas pelo excesso ou frequência de uso de produtos para alisar os cabelos, ou pela fragilidade dos fios, no caso de cabelos finos ou desidratados.

O importante é priorizar a saúde dos fios e buscar orientação com quem entende do assunto para decidir qual o melhor tratamento estético. Se mesmo assim houver problemas com queda de cabelo ou quebra procure um médico especialista para tirar suas dúvidas e para que este lhe direcione ao melhor tratamento para seu caso.

Esperamos ter gostado de nosso tema de hoje no qual falamos sobre “calvície e escova profissional: há relação?”. Deixe suas perguntas nos comentários que logo responderemos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Busca

Recentes

Arquivos


Close