Qual a importância da biópsia do couro cabeludo para combater calvície

Muito se fala da importância do exame dos cabelos, em especial para o diagnóstico de problemas capilares e escolha das intervenções adequadas.

Mas você já sabe da importância da biópsia do couro cabeludo para combater calvície?

Por biópsia, compreende-se a realização de um procedimento cirúrgico, no qual é retirada uma amostra de tecido ou células para análise laboratorial.

Esse procedimento é geralmente realizado em patologias mais graves, mas também pode auxiliar a compreensão de certos casos de calvície.

Para saber mais sobre a biópsia do couro cabeludo para combater calvície, continue lendo nosso artigo. Com ele, você aprenderá sobre a importância da biópsia, para quais casos ela é mais indicada, entre outros detalhes.

Qual a importância da biópsia do couro cabeludo para combater calvície

A calvície

A calvície é um dos quadros capilares que mais afetam os homens em todo o mundo. Segundo dados recentes, 55% dos homens entre 18 e 35 anos apresentam, em maior ou menor grau, sinais dessa condição.

Esses sinais são, geralmente, as famosas ‘‘entradas’’, próximo da testa, clareiras no topo da cabeça ou diminuição no volume dos fios.

Apesar de ser um quadro multifatorial, a calvície é determinada principalmente por herança genética.

Diversos tratamentos e produtos estão disponíveis no mercado para o tratamento da calvície, entretanto estes respondem melhor em casos iniciais e intermediários.

Nesse sentido, evidencia-se a importância da biópsia do couro cabeludo para combater calvície, uma vez que será possível obter maior compreensão sobre as propriedades capilares afetadas e, consequentemente, a escolha de intervenções mais adequadas.

Para quais casos é indicada a biópsia do couro cabeludo para combater calvície?

A indicação para o exame de biópsia não é realizada com frequência, pelo menos no Brasil.

A principal razão por trás disso é o fato de que os outros exames, na maioria das vezes, são eficazes para o levantamento de informações sobre os cabelos.

Entretanto, para casos mais graves e associado a outras patologias, a biópsia do couro cabeludo para combater calvície é altamente indicada e recomendada, pois, por meio desse exame, é possível solucionar dúvidas e hipóteses diagnósticas, além de orientar os tratamentos.

Como é realizada a biópsia do couro cabeludo para combater calvície?

Inicialmente, é escolhida a região do couro cabeludo na qual apresenta, de modo mais grave, o problema capilar a ser investigado – nesse caso, a calvície.

Afinal, caso a biópsia leve em consideração um local no qual a calvície não se manifeste, os resultados não serão específicos.

Uma vez delimitado o local da biópsia, é realizado o isolamento da área, permitindo melhor e completa visibilidade na região durante a extração do tecido.

Para isso, são utilizados acessórios como presilhas, elásticos de cabelo, ou até mesmo o corte ou raspagem da região.

Normalmente, a região a ser submetida à biópsia é pequena, de 1 a 2 centímetros, de modo a não deixar falhas ou cicatrizes visíveis.

Após isso, é realizada a antissepsia e anestesia da região. Enquanto a primeira limpa a área, a segunda torna a coleta do material indolor.

A partir disso, é realizada a coleta do material – retirada de um fragmento da pele – para exame laboratorial.

Geralmente, a coleta utiliza um pequeno instrumento cirúrgico, chamado punch. É semelhante a uma caneta, com ponta cortante.

O corte realizado é, geralmente, profundo. Isso porque o exame pretende analisar os fios que se encontram em diferentes planos dentro da pele.

Uma vez retirado, todo o material coletado é submetido à análise, para preparação de lâminas e análise microscópica.

Em alguns casos, como lesões no couro cabeludo e suspeita de câncer de pele, pode ser necessária a extração de um fragmento maior de pele, com o auxílio de uma lâmina de bisturi.

Já em casos de calvície, a biópsia do couro cabeludo para combater calvície é eficaz principalmente quando são coletadas duas amostras, conforme evidenciado por estudos científicos.

Após a realização da biópsia do couro cabeludo para combater calvície, o corte realizado é fechado com uma sutura simples. Os pontos são retirados, em média, 10 dias após a realização da biópsia.

Apesar disso, alguns cuidados são necessários:

  • Evite molhar o local onde foi realizada a biópsia por 48 horas;
  • Lave os cabelos utilizando movimentos suaves, com as pontas dos dedos; e
  • Evite o uso de chapéus, bonés, capacetes, entre outros acessórios.

Contraindicações

Normalmente, a biópsia do couro cabeludo para combater calvície e outros quadros capilares é um procedimento seguro e rápido.

Entretanto, de acordo com as condições clínicas de um paciente, uma série de complicações podem ser observadas: dores, sangramentos e cicatrizes inestéticas.

Isso evidencia a importância do acompanhamento profissional, junto a um dermatologista de confiança, além dos cuidados no período pós-operatório.

Conclusão sobre a biópsia do couro cabeludo para combater calvície

Neste artigo, apresentamos as principais informações a respeito da biópsia do couro cabeludo para combater calvície. Esperamos que tenham gostado da leitura. Não se esqueça de deixar seu comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Busca

Recentes

Arquivos


Close